Publicidade

Sanepar mostra a estudantes os impactos de ações de cada um no meio ambiente

Durante as atividades do Projeto Sustentabilidade: da Escola ao Rio, alunos da Escola Profissional e Social do Menor de Londrina (Epesmel) fizeram...

22/06/2024 às 17h11
Por: EDITOR Fonte: Secom Paraná
Compartilhe:
Foto: Giovanna Fonseca/Sanepar
Foto: Giovanna Fonseca/Sanepar

A noção de que não existe “fora” quando se descarta qualquer resíduo, seja ele um papel de bala ou um sofá quebrado, e de que atitudes individuais podem ajudar a preservar ou degradar o planeta está cada vez mais clara na cabeça dos jovens. Isso ficou evidente nesta sexta-feira (21), durante as atividades do Projeto Sustentabilidade: da Escola ao Rio, desenvolvido pela Sanepar com alunos da Escola Profissional e Social do Menor de Londrina (Epesmel).

Adolescentes entre 14 e 18 anos foram orientados a fazer uma análise crítica do território da Bacia Água das Pedras, onde a Escola está inserida. No trajeto que entre a sede da instituição, no Parque das Indústrias, até o Córrego Jaci, no Waldemar Hauer, zona Oeste de Londrina, eles ficaram impactados com a quantidade de lixo descartado indevidamente.

“A intenção da observação no trajeto até o local em que faremos coleta e análise da água é mostrar melhor os elementos da bacia hidrográfica, entre os espigões e os vales, e os diferentes aspectos que podem contribuir ou não para a preservação dos recursos hídricos”, explica a gestora ambiental Andrea Fontes.

Ela integra a equipe de profissionais da Sanepar que ajudou a materializar a ideia de que não existe “jogar fora” quando o assunto é dar destino para os resíduos sólidos. “As pessoas ainda descartam de qualquer forma aquilo que consideram ser lixo, às vezes, apenas tirando de suas vistas, sem se preocupar com o problema ambiental que estão criando ou agravando. E isso, sem contar com o impacto na saúde”, diz.

O risco para a saúde também foi notado pela aluna Anna Luysa Loureano, 14 anos, no ponto de parada para observação da bacia. Ela e os colegas posaram para uma foto fazendo um sinal de negativo para o lixo encontrado no local. “Agora eu vou redobrar o costume de não jogar lixo em lugar errado e tomar muito mais cuidado, porque é um perigo pra gente, os animais e para ambiente”, comentou.

Poluição nos rios e entupimento do esgoto foram alguns dos impactos que Adryan Rodrigues Motta, 15 anos, listou após se comprometer a melhorar a forma de descartar os seus resíduos. Ele foi um dos alunos que manusearam o kit de análises que mostrou baixa turbidez, baixo pH, presença de amônia, fosfato e nitrato na água do Córrego Jaci.

“Embora alguns parâmetros estivessem bons, outros demonstram que este corpo hídrico inspira cuidados. O que vimos pode ser indicativo de ligação irregular de esgoto doméstico ou uma outra fonte poluidora percolando o solo ou vindo pela galeria pluvial”, explica Andrea. “Não é porque a água está transparente que se pode beber”, reforçou.

VISÃO SISTÊMICA– O Padre Maximo, vice-diretor de Ensino da Epesmel, falou da importância da parceria da Sanepar e de sua contribuição para o trabalho já desenvolvido na entidade em prol da proteção do meio ambiente.

“Nós pertencemos a esta Casa Comum que devemos proteger para o nosso bem e, também, para o bem do planeta”, resume. “Essa ação de hoje ajuda bastante para que eles possam perceber que a ação deles pode influenciar no meio ambiente. Tudo o que nós fazemos pode influenciar tanto para o negativo quanto para o positivo”, ressalta.

O PROJETO– Criado em 2013, o Projeto Sustentabilidade: da Escola ao Rio visa mobilizar a comunidade escolar em ações socioambientais que resultem em preservação de rios, considerando impactos urbanos e rurais. A iniciativa tem metodologia específica que inclui um kit para coleta e análise da água, considerando padrões físicos, químicos e microbiológicos.

A atividade promove o senso crítico dos participantes para a elaboração de diagnóstico da bacia hidrográfica onde a escola está inserida.

CONTEXTO– A parceria com a Epesmel viabiliza uma das mais de 30 ações socioambientais que serão realizadas em diferentes bairros de Londrina até o fim de 2024. As ações integram o Programa de Intervenção Socioambiental em Obras de Saneamento da Sanepar, em parceria com a Prefeitura, com o objetivo de promover a conservação do meio ambiente e a responsabilidade social a partir dos eixos do saneamento.

O Programa atende à Portaria n° 464/2018, do Ministério das Cidades, como requisito para as obras de saneamento financiadas pela Caixa Econômica Federal. Em Londrina, o contrato de R$ 103 milhões prevê obras de ampliação do sistema de abastecimento de água.

Goioerê, PR
Tempo nublado

Mín. Máx. 18°

Sensação
1.96km/h Vento
93% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h14 Nascer do sol
06h01 Pôr do sol
Ter 23° 12°
Qua 25° 13°
Qui 28° 15°
Sex 29° 16°
Sáb 30° 16°
Atualizado às 05h02
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,05%
Bitcoin
R$ 360,808,79 +8,85%
Ibovespa
128,896,98 pts 0.47%
Lenium - Criar site de notícias